O culto ao Sagrado Coração esteve presente já no início da Igreja, desde a Cruz,
onde este divino Coração foi aberto para os fiéis como um asilo inviolável,
sacrário das divinas riquezas, que derrama sobre nós as torrentes da misericórdia e
da graça. Os maiores Santos de todos os séculos compreenderam o segredo desta devoção
muito antes que ela fosse revelada de modo especial.

 

A reparação Eucarística é uma característica fundamental nesta devoção,
pelo que disse o próprio Senhor a Santa Margarida Maria:

«Eis aqui o Coração que a tal ponto amou os homens, que nada poupou, até
esgotar-se e consumir-se, para testemunhar-lhes seu amor; e entretanto só
recebo da maior parte deles ingratidões, pelas irreverências, sacrilégios,
desprezo e tibieza com que me tratam no meu Sacramento de amor. O que me é
ainda mais sensível, é serem corações que me foram consagrados, os que assim
me tratam. Por isso te peço que se dedique a primeira sexta-feira depois da
oitava do Santíssimo Sacramento a uma festa particular com o fim de venerar
o meu Coração, fazendo-lhe ato de reparação, comungando-se nesse dia em
desagravo pelas indignidades recebidas durante o tempo em que esteve
exposto sobre os altares.»


Esta devoção está associada a inúmeras graças, reveladas a Santa Margarida Maria
nas 12 promessas:


AS DOZE PROMESSAS

1- Darei às almas dedicadas ao meu Coração todas as graças necessárias ao seu estado.

2- Farei reinar a paz em suas famílias.

3- Eu as consolarei em suas penas.

4- Serei seu refúgio seguro durante a vida e sobretudo na hora da morte.

5- Derramarei copiosas bênçãos sobre todas as suas empresas.

6- Os pecadores acharão em Meu Coração a fonte e o oceano infinito da misericórdia.

7- As almas tíbias se tornarão fervorosas.

8- As almas fervorosas elevar-se-ão rapidamente a uma grande perfeição.

9- Abençoarei as casas em que se achar exposta e for venerada a imagem do Meu Coração.

10- Darei aos sacerdotes o dom de tocar os corações mais endurecidos.

11- As pessoas que propagarem esta devoção terão seus nomes escritos indelevelmente no Meu Coração.

12- O amor todo-poderoso do Meu Coração concederá a todos os que, por nove meses seguidos, confessarem-se e comungarem na primeira sexta-feira, a graça da perseverança final.




O Coração de Jesus na Bíblia
Mt 11,29
Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde d
e coração e achareis o repouso para as vossas almas.
Jo 7,38b
Do seu interior manarão rios de água viva (Zc 14,8; Is 58,11). (referência ao Coração
de Jesus e a “água viva” do Espírito Santo)

A Aliança dos Dois Corações
Jo 19,34
Mas um dos soldados abriu-lhe o lado com uma lança e, imediatamente, saiu sangue e água. (símbolo místico da origem dos sacramentos da Igreja)
Esta passagem exemplifica também a profunda união mística do Coração de Jesus com o
Coração de Maria na obra da Redenção. Essa união começou quando, pelo poder do Espírito
Santo, Maria concebeu o Coração de Jesus em Seu próprio Coração. Esse Sagrado Coração
começou a pulsar no ventre de Maria, como eco às batidas de Seu Coração Imaculado.
O Coração de Jesus existe pelo consentimento da Virgem Santíssima na Anunciação.
Foi o sangue de Maria que alimentou esse Coração Sagrado do Filho de Deus feito homem.

Essa união de amor inefável é consumada quando, ao mesmo tempo, esses Dois Corações são
imolados por nossa salvação. Quando o Coração de Jesus foi traspassado pela lança do
soldado, o Coração de Maria foi traspassado espiritualmente, cumprindo a profecia de
Simeão (Lc 2,35b).

Todas essas passagens indicam claramente a admirável Aliança desses Dois Corações
(como já citou João Paulo II), que trabalharam pela salvação do mundo: o Coração de
Jesus, que sofreu a ponto de ser traspassado para derramar-Se sobre todos os que nEle
crerem; e o Coração de Maria, sempre se voltando ao Seu Divino Filho, Coração
predestinado por Deus a sofrer com Jesus pela salvação da humanidade.

Fontes consultadas:
Missal Romano
Informativo 3º Milênio nºs 19 e 20